TETRA está aqui para ficar

TETRA está aqui para ficar

O site RadioResource publicou há poucos dias uma nota interessante sobre o “papel do mundo digital de banda larga TETRA”.
O artigo é um resumo bem geral  da rádio atual, mencionando praticamente todos os protocolos usados por usuários de missão crítica:

  • MATRA / TETRAPOL: distribuído hoje, em alguns países, longe de desfrutar das vantagens da tecnologia aberta como TETRA.
  • P25: que sofreu por falta de um programa de limitações de interoperabilidade abrangentes, capacidades de dados e uma migração lenta para a fase 2, deixando os preços muito mais elevados do que a maioria teria gostado (e significativamente maior do que TETRA).
  • DMR e MOTOTRBO: que foram crescendo e virá para competir com TETRA e P25 em alguns mercados específicos, mas ainda são limitados em termos de funcionalidade exigida por muitos outros mercados.
  • LTE: que está a avançar muito rapidamente em mercados comerciais, mas ainda carece de características essenciais para usuários de missão crítica – e nem por um longo tempo.

Dado o cenário, e TETRA atende hoje a 95% das necessidades da maioria dos usuários (a única coisa que não pode fazer de forma eficiente é o vídeo), o protocolo ainda está crescendo e adicionando novas funcionalidades. Incluindo a extensão a faixa de VHF para cobrir mercados onde a cobertura é o grande problema – que já está incluído no protocolo, e está sendo desenvolvido por algumas empresas – aplicações de dados avançada, e para algumas TEDS (embora em nossa opinião o custo e os requisitos técnicos da TEDS superam os benefícios potenciais).

Em conclusão, TETRA permanece em boas condições de saúde, e, pelo menos por agora não há outro como a tecnologia TETRA. Assim, podemos ter certeza de que resta muito tempo até mesmo para TETRA.
Como prova de que podemos ver um par de casos recentes, como a nova rede TETRA para a rede de transporte em Toronto, ou sendo instalado na República Dominicana.

Fonte: Mundo TETRA

Deixe um comentário